Agricultura Inteligente (10, 17 e 24 de fevereiro e 3 de março)

Se a tecnologia foi importante para a revolução agrícola que o mundo testemunhou nas últimas décadas, aquela é ainda mais importante no presente e no futuro, pois a produção agrícola e pecuária têm de utilizar práticas cada vez mais sustentáveis e assegurar alimentos para fazer face ao número crescente de pessoas a habitar o planeta em meio urbano e com maior poder aquisitivo.

Uma agricultura sustentável, em temos ambientais, sociais e económicos, só é possível de se tornar uma realidade com a utilização das novas tecnologias, nomeadamente as que derivam da revolução digital em curso. Um novo conceito mais “verde” que incorpore tecnologias industriais que visam produzir de forma mais eficiente e que aproxime a produção dos consumidores é fundamental. A agricultura inteligente, também designada por agricultura 4.0 é, por vezes, confundida com a agricultura de precisão (onde impera a correção com base na variabilidade), mas o seu âmbito é bastante mais vasto, pois, além das tecnologias da agricultura de precisão, incorpora tecnologia de drones, internet das coisas (IoT), sensores de proximidade e remotos, inteligência artificial, rastreabilidade, nanotecnologias, Big Data e analítica avançada, aplicadas a toda a cadeia agroalimentar.​

Cartaz